Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Antonio Franco Nogueira

'(...)O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo. (1 João 1:3) Ilustração Google
'(...)O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo. (1 João 1:3) Ilustração Google

“Para o cientista que viveu por sua fé no poder da razão, a história termina como um sonho ruim. Ele escalou as montanhas da ignorância, está prestes a conquistar o pico mais alto, e quando ele se aproxima da rocha final, é recebido por um bando de teólogos que estão sentados ali há séculos” -  Robert Jastrow - cientista da NASA, astrônomo e físico planetário. Sabe quem eu tenho na cabeça, no momento que eu catava essa frase desconcertante para pô-la aqui na abertura do texto, para os que duvidam da existência de Deus? Pois é, não podia me ocorrer outra pessoa, na verdade pessoas, mas da outra eu te conto um pouco mais adiante, que acionou minha empresa para desentupir o esgoto de sua casa, na cidade de Simões Filho, e enquanto meu pessoal, todos crentes em Cristo Jesus, o atendia, o sujeito fazia questão de dizer que “não acredita em Deus”. O curioso é que, enquanto um cientista renomado, com tanto serviço prestado ao mundo, admite que não há como negá-Lo, e que a Ciência enfim se dobra ao que tanto diz os crentes em Jesus Cristo, a Rocha a que ele se refere como a “rocha final”, sobre a qual se apoiam os teólogos que a recebe “lá em cima”, um arremedo de gente, que nem um tubo de esgoto de sua casa é capaz de desobstruir, tem a pachorra de negar que há Um que criou, ou em outros casos consentiu, que viesse à existência tudo que ele possa imaginar, inclusive a ele próprio, que, assim como o esgoto da sua casa, tem a mente entupida quem sabe com o mesmo “material”, já que espelho e vaso sanitário o moço deve saber o que são, e já esteve na frente dum e sentado no outro não poucas vezes. O problema será se, diferente do cientista que já admite que para os da Ciência que andaram duvidando, ao enfim se encontrarem com a Rocha final será como ter acordado dum sonho ruim, o dito arrogante ateu de meia-tigela só acordar da sua loucura quando for tarde demais.

(...)Os arrogantes não subsistirão diante dos teus olhos; detestas a todos os que praticam a maldade. (Salmos 5;5).

Mas deixa esse louco pra lá. Que eu preciso que você preste bastante atenção na analogia que usarei para te fazer refletir um pouco sobre o que você tem feito com sua vida que, sem que você se aperceba disso, acabe por também vir você a se classificar entre os que “não pararão de pé”, quando, acordado do sono da morte, se virem diante d’Ele, o justo Juiz. Aliás, já ouviu dizer que quando uma pessoa tem medo extremo, ela treme as pernas? Pois é, é exatamente isso que quer dizer a Bíblia sobre que “os arrogantes não pararão [de pé] em Sua vista”: o medo da sentença será tanto, que os joelhos não sustentarão o corpo ‘do cabra’. Por isso o “não pararão de pé”. Mas olha, sobre a analogia, antes de seguirmos para o texto, de que te falei – que até vi emudecer um certo advogado camaçariense que conversava comigo ao telefone, quando fiz a tal colocação a ele. Foram uns 3 ou 4 segundos tão calado, para quem falava como o moço falava, que pareceu um deserto de uma hora na conversa. Que de cá até dei glorias a Deus, visto que percebi que o silencio era na verdade um grito de sua consciência lhe dizendo “como que tú ainda não havia pensado nisso - seu cabeção?”, que é o seguinte: imagine que você está passeando, pescando até, em alto mar, onde não te é possível avistar o fim da água para lado nenhum, nada de terra à vista, então, brincando, ou mesmo para ver ‘a cor da água’, você apanha com a mão um pouco d’água. Imaginou? Agora se responda quanto tempo você consegue manter em sua mão a agua que você colheu, se uma hora, meia hora, 10 minutos, ou menos disso. Só não se esqueça que você está em alto mar, e não sentado no sofá da sala de sua casa, logo sendo sacudido pelas ondas e soprado pelos ventos. E então? Segundos, considerando as adversidades da situação, imagino que essa tenha sido sua conclusão. Segundos. Ok. Sabe o advogado? Na nossa conversa ele me dizia que havia ido ao médico, parece que havia tido Covid-19, mas havia feito também uma bateria de exames, para ver “se estava tudo bem”. Então foi que o Espírito de Deus me relembrou da analogia - que na verdade consta nos escritos apócrifos (escrituras não consideradas como inspiradas, pela maioria das correntes teológicas, mas que a mim, sobre muitos, porém não todos, desses escritos, a c r e d i t e, Jesus me disse que “há respostas lá”). Então, a conclusão é a de que, a água que você não consegue segurar e vê escorrendo por entre teus dedos, é a tua vida; e a água que você vê à sua volta, cujo fim você não consegue avistar, é a vida sem fim que Jesus quer que você, crendo n’Ele, venha a ter. Salvação da morte doída eternamente. O que se traduz por Gozo sem medida. Sabe o gozo de três segundinhos bom pra caramba, que anda ‘todo mundo’ correndo atrás e quando acontece a pessoa fica com gosto de “ah, que pena que acabou”? Aquele é com medida – e não à toa tem a medida que tem. Já o que Ele promete é um sem medida e mui excelente - (...)Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo. João 15:11.

(...)"Quem é esse que obscurece o meu conselho com palavras sem conhecimento?

Prepare-se como simples homem; vou fazer-lhe perguntas, e você me responderá.

"Onde você estava quando lancei os alicerces da terra? Responda-me, se é que você sabe tanto
. (Jó 38:2-4).

Se você não for uma dessas criaturas loucas, que tem metido o pé no sapato da arrogância e caminhado sem se dar conta de que jamais estiveram com os pés no chão, aqui pensando no silencio de tua alma, ou grito de tua consciência, tal e qual ocorreu com o advogado, até consigo ouvir o suspiro profundo que você deu, se tem visto tua vida escorrendo pelos teus dedos sem que nada você possa fazer, enquanto despreza – ou desprezava, sim, desprezava, haja visto que imagino sua conclusão por enfim resolver escutá-Lo ao final dessa leitura, os tantos convites para fazer parte do Corpo que fará sua vida estendida pelo mar da eternidade, juntamente com Aquele que é a Cabeça do Corpo, e que pelo poder de Sua Palavra estabeleceu limites e prazo a toda sorte de Criação, inclusive à arrogância dos homens, que justamente por isso vivem como quem caminham ao vento achando que estão voando.

Agora, sabe o que é engraçado? (?) O “engraçado” é que se uma pessoa duvida da palavra de outra pessoa, aquele que teve sua palavra posta em dúvida, me conta se acha bonitinho ou se não lhe causa revolta, já que o que foi dito quem disse sabe se tratar duma verdade? Pois é, só que, conforme as Escrituras – que para nós, que cremos, temos como o Espírito de Deus falando, (...)todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam (Isaías 64:6); agora avalie se não é mais justo que Aquele em Quem reside não uma mas a Verdade e toda forma de justiça, e que não murcha nem jamais murchará, se revolte com os que tem duvidado de Sua Palavra, se todos nós almejamos, ou quase todos, não um murchamento mas um reverdecimento de nossas almas? Mas não se responda ainda não, segura aí.

Assistindo no Youtube, não por qualquer acaso, se Jesus sabia do tema do texto, desse texto, que eu estava em vias de escrever, a um vídeo, que logo passou a ser não um e uns muitos vídeos assistido, dum certo “Vendedor de Balas”, onde pessoas são abordadas com muito bom humor e uma performance musical de inteligentíssimo improviso, sobre a Salvação ainda disponível para todos que à quiserem, não inquietou pouco Minh‘alma a indiferença da imensa maioria das pessoas abordadas, diante de tão grande misericórdia de Deus em favor daquelas vidas, pelo dom que o Pai deu àquele desenvolto e destemido irmão. Ele só falta entrar na alma dos indivíduos pelos olhos, de tão perto que chega, na tentativa de despertar o sujeito para a Verdade e oportunidade da Salvação ali diante dele e ao alcance de suas mãos, mas o vi sendo tratado como a um fantasma - falando a zumbis. Noutros casos, não muitos, porém, vi também pessoas que, mesmo com sede de Deus, dava para perceber claramente dominadas pelo espírito da timidez, e nenhuma reação de quebrantamento se via à além do aparente respeito à pregação da Palavra, já que, contudo, alguns paravam para ouvir. Momento em que, refletindo no quão mortas estão as pessoas que não conhecem ao Filho de Deus como Ele quer ser conhecido, decidi que traria para este texto a tal situação, com o fim d’que, agora com o empurrãozinho que, quem sabe você principalmente, como sua nobreza acaba de ganhar, sobretudo tendo em mente a analogia das gotas d’água que você não consegue segurar entre os dedos por nada mais que por um misero instante, em detrimento ao mar de vida gritando por um mergulho seu, bem ali [aí] na tua cara, e indo, quem sabe somente para matar a curiosidade, ao Canal do moço, você reflita o quão feio é a rejeição ou a indiferença para com Aquele que derramou Sua alma até a morte somente para não vê-lo/a derramando você mesmo/a o seu sangue por seus pecados, se Ele sabe que sangue nenhum e de ninguém jamais será suficiente para expiação de pecado algum, e com isso o sujeito venha a padecer um sofrimento eterno e desnecessário se Ele esteve tão à disposição quanto está agora, ao alcance das mãos, dos pés e do coração. Quem olha de cá, até pode ser que chegue a pensar que o rejeitado está sendo o rapaz que canta, que toca o violão, mas O que está sendo rejeitado é Quem opera pela vida do pregador, que um dia será O Justo Julgador!!!

Esse texto está por ser escrito há muitos dias, porém, mais uma vez, sendo procrastinado por mim, acabou por me custar, mais uma vez, um puxão de orelha do meu Senhor. E até que eu, consciente do porquê que Ele fazia dias e dias que não falava comigo pelos sonhos, provoquei o carão que levei, quando Lhe pedi respostas para algumas questões, e acabei tendo uma visão duma mulher a quem eu deveria procurar “pagar o que devo”. O detalhe é que, à mulher da visão, que é uma pessoa conhecida, eu não devo nada. Ela, porém, absolutamente desconhecedora das coisas de Deus, à parte do que ela me ouve falar quando está disposta e vem à mim, trata-se duma figura da Igreja, a quem essa mensagem tem que chegar. E esse é o debito que eu devo quitar: a conclusão e publicação deste texto. Então, e depois eu volto aqui e te conto, Ele tornará a descer no meu sono e continuará me dando os sonhos, pelos quais Ele quer advertir ao povo, sobretudo ao que ignora a importância da leitura bíblica. Assim creio. Mas no que você deve se focar, é no fato de Ele fazer questão que eu escreva e você leia e reflita no que está lendo. Ah, inclusive, usando a mesma mulher como figura da Igreja, Ele me mostrou noutra visão que ela estava sendo levada para um matadouro, condenada à morte, por uns homens vestidos de guarda municipal, por que não sabia responder as perguntas dum questionário. Quando logo me veio à mente o que diz Oséias 4; 6 [O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento], o que não está ali por pura formalidade bíblica. O detalhe, que muito me chamou atenção, e espero que tenha chamado também a tua, foi a farda dos ‘soldados’. Então, não estará Jesus tentando advertir ao povo que atente bem para quem o está conduzindo, que não para a vida, mas sim para a morte, do mesmo modo por falta de conhecimento de que também neles não há noção das coisas visto que eles não sabem que não tem a autoridade que pensam que tem? Doutra forma a farda seria de soldados do Exército [Senhor dos Exércitos - lembra?], e não farda de guarda municipal, que notadamente são pessoas que se sentem polícia quando polícia não são. Logo de autoridade questionável. Vá matutando aí – e brigando com Quem dá os sonhos, não comigo que somente o recebi. Então, minha sugestão é que você faça a leitura desse texto não somente uma vez.

Eu não sou, digo de pelo homem, consagrado a nada. E isto pode ter sido uma barreira para a aceitação de muita gente à minha mensagem. Mas quem tem juízo e um mínimo de discernimento espiritual, é capaz de perceber que não se trata duma mensagem em favor de mim, mas a favor do Evangelho da Verdade, e da alma dos que creem, com o fim de libertar o crente ou os desejosos a se tornarem servo de Deus, de toda sorte de mentira, que é o que, desde minha conversão, há quase seis anos, faz arder o meu coração. Nele, no meu coração, não há lugar para ataques pessoais – ou pregação de araque, sobre esse ou àquele, seja o sujeito comum, seja pregador, seja pastor, missionário, profeta, ou seja lá o que for, que tem enganado o povo, se por suas conveniências, se por puro desconhecimento da Mensagem, pelo que andaram lhe ensinando, se por vaidade, ou mesmo se por analfabetismo bíblico e desinteresse em sair desta condição, eu não sei, mas sim, agora falando me mim, em dividir com os que quiserem, o que de Deus tenho recebido.

Inclusive, há uma coisa, na verdade uma das muitas que há, a qual não poucos dos altares tem escondido do povo, por qual das razões citadas acima também não sei, Deus o sabe, que você precisa antes saber, que é bem diferente das promessas que se tem ouvido, que Jesus nunca disse, e que está num dos salmos mais usados para afagar o crente, quando na verdade a mensagem nele é mais para preparar o indivíduo para a vida de sacrifício que o espera do que para afaga-lo - depois de falar do próprio Jesus, e que muito deve te fortalecer, que te disponho agora:

(...)O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.

Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.

Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.

Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias
. (Salmos 23:1-6)

Venha - ou se aprume se você já estiver por cá, mas perceba que é uma OVELHA que faz a oração, ovelha é quem se deita sobre a comida; é ovelha que vive na sombra da morte; é sobre uma mesa que a ovelha morta é colocada; é com um cajado que as ovelhas são mantidas no rebanho – por causa dos lobos; e é a ovelha que se permite passar pelo sacrifício [ser posta sobre a mesa, servindo de banquete], que morará por longos dias [eternamente], na casa do Pai. E a essas ovelhas é que nada lhes há de faltar, quando estiverem na Casa do Pai. Entendeu? Não? Então volte um capítulo e medite – eu disse medite, no Salmos 22, que vai ficar mais claro, desde que você, que verá Jesus Cristo falando pela boca do rei Davi, entenda que é estando no Corpo d’Ele – sendo Igreja, da qual Ele é a Cabeça, que nada lhe há de faltar. Só não se esqueça de que, sendo Corpo, e sabendo das chicotadas que Ele levou não no dedo, trata-se duma metáfora para a porção de sacrifício que à nós, Corpo d’Ele, nos caberia. Por isso Ele diz A TODOS, que (...)Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me (Lucas 9:23). Entendeu? Muito bom que tenha enfim entendido que se trata duma metáfora para a vida de sacrifício que o crente teria que enfrentar, até que Ele volte (...)E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda. (Isaías 30:21). Que assim você, se crer e obedecer, verá o dia que (...)A luz da lua brilhará como o sol, e a luz do sol será sete vezes mais brilhante, como a luz de sete dias completos, quando o Senhor cuidar das contusões do seu povo e curar as feridas que lhe causou. (Isaías 30:26). Mas depois volte e medite, agora sim, com a verdade da mensagem do Salmos 23 no coração, que verá o quão diferente será para tua alma a partir de então.

Em tempo:

(...)Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens
(João 10:9).

Viu? Se você entra por Ele, será salvo/a e assim se deitará sobre verdes pastos – então me diz se terá fome, ou melhor, se você sentirá falta dalguma coisa se há ali pastos verdes e se há pastos verdes logo é por que há água em abundância, ou não? Então se você entende assim, e quer fazer parte do rebanho que se deitará sobre comida farta, ficou claro para sua nobre pessoa, que deverá estar pronto/a para “derramar seu sangue e servir sua carne” perante os teus inimigos, e tudo com o consentimento de Deus, como fez o Salvador? Ficou? Tomara mesmo. Isso é o que diz o Salmo 23. É uma metáfora que, porém, não se concretizará em todos os crentes, mas que alcançará alguns muitos de nós, como alcançou tanto os 12 apóstolos [João, porém, em parte] quanto muitos dos profetas, assim como um sem-número de discípulos, desde àqueles tempos até os dias de hoje, e ainda alcançará um monte de gente até a volta do Salvador, com o consolo, agora sim um consolo, de que para alguns o sacrifício não passará dumas “chicotadas” nas nossas vontades, na nossa natureza carnal, no nosso orgulho, e coisas do tipo, perante “nossos inimigos”, por quem, assim como Cristo diante dos inimigos d’Ele, o Senhor manda que nos sacrifiquemos [atiremos no coração da nossa arrogância] diante dos nossos. Desde que não se confunda ternura com palermice, tampouco  firmeza, com selvajaria, por favor.

- Mas, que forma de atrair uma pessoa para o Evangelho, a desse cara..., o que, acostumado/a com as mentiras, e não poucas mentiras, com as quais alguns tem sido alimentado, como se fosse verdade, até compreendo, caso lhe ocorra a observação. Mas, embora você não tenha conhecimento de causa, e nem tenha uma pessoa que possa te contar, você precisa saber, que para que um soldado arregimentado para a guerra seja bem-sucedido, e não morra na batalha, ele não é treinado com bananas e bolos – com que engana-se os tolos, mas é treinado sob forte esquema de rigor, disciplina e sofrimento; passando fome e frio na selva bruta, entre cobras e escorpiões, afora feras maiores, camufladas entre a vegetação (e qualquer semelhança pode não ter sido por mera coincidência), que doutra forma, quando no mínimo, logo na primeira noite na mata, o destreinado/mimado soldado vai acabar se deitando num ninho de serpentes e sendo transportando de volta para casa dentro dum saco com a boca amarrada. E daí, nada de verdes pastos para ele. A mesma coisa se dá no Evangelho, soldado, é por isso que é “Senhor dos Exércitos”, entendeu? Estamos numa guerra. E lutando contra um inimigo invisível, o que é pior. Agora me diz, se não é melhor ser um soldado bem treinado antes de entrar na selva, ou que deixar o recruta entregue “as feras do campo”? [Sugestão de leitura, Ezequiel 34; 1-31]. Pois é, além do mais, para se alcançar uma boa patente, a ralação não é mole não. A não ser que sua nobre pessoa não se importe de passar uma eternidade como um soldado raso – se tu escapar da viagem de volta dentro dum saco, claro. E aí, vamos seguir? Beleza!

Como está o mundo, com essa pandemia, está tudo no lugar? O povo está ganhando a guerra? Ah, não, espera: falando em ‘beleza’, aliás, e sabendo como se sabe do cancelamento do Carnaval, de Salvador (sem falar na “lavagem do Bonfim”, que depois de 276 anos de tradição teve sua configuração posta de ponta-cabeça) ao Amapá, logo, no país inteiro, é inevitável não te fazer um convite à lembrança, sem prejuízo ao primordial do texto, que é, independentemente de situações pontuais que não pode passar ao largo dos olhos da mensagem, da afronta ao Filho de Deus, por seja lá quem tenha se servido de cavalo de Satanás como pai da ideia, nos vários momentos do Carnaval passado, onde supostamente Jesus teria sido vencido pelo Diabo, ou ainda com o rosto negro, sangue de índio e corpo de mulher, sob aplausos dum bando de tontos, onde cabe sim a pergunta sobre por onde andam ou o que pensam agora os que idealizaram e aplaudiram tamanha loucura e vilipendio da fé alheia e da santidade de Deus, com esse cancelamento dum evento tão ovacionado pelo mundo e que, ainda que morresse duma só vez as mães de todos os que se envolviam direta e indiretamente com a elaboração dela, da pessoa comum à governadores, jamais a “festa” seria cancelada? Falar da situação em que se encontra o mundo com essa pandemia, na verdade um pandemônio, para que você reveja teus conceitos sobre a existência de Deus, é covardia. Mas não é demais te chamar a refletir sobre se você de fato sabe de onde você veio e para onde você vai. Se para onde você está indo é mesmo o lugar onde você quer chegar, antes que sua pessoa, depois de ter confiado tanto na tua força, beleza ou riqueza, se depare num corredor, tipo os usados nos matadouros de gado, onde não há mais como recuar da morte, tal e qual o boi quando avista ali adiante dos olhos sangue no chão – até te sugiro a pesquisa por “gado no corredor da morte, que ficará mais clara a reflexão”.
É dura sim a mensagem, eu concordo. Mas é (...)Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. (Romanos 3:10).

Então a ideia é fazer como fez um certo pai que fora flagrado por um policial dando uma surra no filho, ao ter jogado em sua cara que era proibido bater no garoto, e que ele estava “infringindo a lei da criança e do adolescente”, que respondeu que era melhor ele, como pai, bater agora para que ele não viesse a apanhar da polícia um dia”. (...)Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos. (Hebreus 12:6-8). Então te aquieta aí, que já, já passa.

Aliás, toma aí um pouco dessa “elixir”:

(...)Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas,

Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. (Jeremias 9:23,24).

Tá melhor? Okay, então vamos lá:

“O que Salvador movimentaria em uma semana de Carnaval é mais do que todo PIB anual de 386 cidades baianas. Sim, caso o coronavírus não tivesse transformado as nossas vidas nesses 11 meses, circularia pela capital baiana mais de R$ 1,5 bilhão e 250 mil postos de trabalho seriam criados. Que abundância. Na edição deste fim de semana, o repórter Alexandre Lyrio se debruçou sobre os números do tombo que a pandemia provocou na indústria do Carnaval e, na esteira, o impacto social causado pela ausência do maior espetáculo promovido pela cidade, de vocação essencialmente turística e festeira”.

Como você deve ter notado, devido as aspas, o parágrafo acima não foi escrito por mim. E nem vou focar na questão econômica a que o jornal, dono da publicação se refere. Mas o que me salta aos olhos é a palavra Abundância, que quem escreveu a matéria invoca sem que, mesmo que tenha observado o efeito da pandemia na economia por conta da suspensão do Carnaval, e tendo conhecimento bíblico [A palavra "abundante" no grego é Perisson, que significa "muito, muito bem, além da medida, mais, uma quantidade tão abundante que chega a ser mais do que era de se esperar ou antecipar."], do significado de Abundância, atenta apenas à questão financeira, e não faz qualquer referência ao Deus do Céu, que à tudo vê e é bem claro sobre o que Ele fará, assim quanto aos que tiverem confiado em si mesmos, também fará com o dinheiro dos homens que tiverem vivido estribados em suas posses e sobre o mar de pecado no qual andaram mergulhados, seja em suas festas públicas seja no oculto de suas vidas, como a criatura não observa no seu texto, que pode se tratar a pandemia duma amostra – por permissão e não por prazer, uma vez que as Escrituras [Ezequiel 33; 11] dizem que o Senhor não tem prazer na morte do pecador, ao povo que O tem desprezado, que não passam dum punhado de pó perante a Sua grandeza e poder, e que de tudo feito contas serão prestadas. E tudo isso sendo lido e, desapercebidos do RECADO gritante, quem sabe sob aplausos ao texto e um lamento reverso da grande da massa. Uma lastima, se a abundancia que deve interessar não é a de ouro, mas a de Vida; se o gozo por que se deve lamentar, não é o passageiro, mas o que dura.

(...)E angustiarei os homens, que andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor; e o seu sangue se derramará como pó, e a sua carne será como esterco.

Nem a sua prata nem o seu ouro os poderá livrar no dia da indignação do Senhor, mas pelo fogo do seu zelo toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos os moradores da terra uma destruição total e apressada.
(Sofonias 1:17,1.

Agora, retomando, sobre se o povo está ou não vencendo o inimigo pestilento, você nem precisa me responder, que todos nós sabemos que os soldadinhos da peste mesmo gorduchinhos e cheios de perninhas não tem se atrapalhado para correr mundo afora, como o maior dos atletas, dado o tão treinados que foram para o fim que vieram - e o pior é que provocando uma baixa atrás da outra até em oficiais treinados para combates do tipo, homens e mulheres cheios de recursos e experiência, sem que haja sequer espaço para qualquer pedido de clemência quando eles atracam. Com o agravante de que, conforme você acompanhou mais acima, tanto os recrutas comuns quanto os civis que acompanham a carnificina, observe que está todo mundo caminhando para a mesma vala e não se sabe quanto há, se houver algum, cuidando de apelar para o General do único Exército que os pode socorrer, antes se preocupando se haverá ou não Carnaval ou com o tamanho da montanha de ouro e de prata que se vai deixar de ganhar. Uma dupla lástima nesse ponto.

Posto isso, dá para sua nobreza entender que não vem de mim qualquer palavra dura aos seus olhos, mas d’Àquele que me enviou. A Quem tenho conhecido. E nisto, em conhecê-Lo, é que está a força com que venho e tenho falado a você. Acredite, vem d’Ele o que você está acompanhando, da primeira à última linha do texto que você está lendo. E saiba que sei que também darei conta do que estou te dizendo – digo da afirmação que faço neste parágrafo, sobre que vem d’Ele o que você leu e ainda lerá.

Até pode te parecer apelativo o que vou te dizer – e pouco me importa que assim te pareça se ao final da leitura você vier a refletir. Mas sabe esse negócio de Grandeza de Deus, frente a nossa pequenez? Pois é, há nas Escrituras uma passagem que ao lê-la e refletir na profundidade do negócio, se a Ciência diz que, infinito como ele é, o Universo não há como ser medido, que diz que o Criador das coisas mede os céus à palmos, e põe os mares na concha da Sua mão, que sempre que leio me dá uma espécie de gozo, cuja alegria que me invade, se é Esse Deus que tanto tem se manifestado à mim, tanto vindo na beira da minha cama no meu sono quanto por Suas Escrituras, não me é possível expressar em sua plenitude, como também da minha vontade, que Ele mesmo põe no meu coração, em dividir com quantas mais pessoas me for possível, mas que até o fim dos meus dias tentarei fazer, para o que te conclamo avaliar e avaliar antes de recusar. Até te sirvo em algumas porões um pouco, para que você saboreie também e sinta o gosto que sente a minha alma, conforme te falo, mas todo o capítulo depois te espera, contanto que você o leia com os olhos no Reino milenar, na Volta do Filho unigênito de Deus, à essa Terra, e veja que mesmo sendo como verá, Ele faz extrema questão de nós, só não relaxe da observação ao ciúme e indignação que Ele expressa, para a adoração à coisas – e aí considere no que você tem focado sua vida, em detrimento à Ele, de fato Único Deus digno de adoração e de todo louvor:

(...)Eis que as nações são consideradas por ele como a gota de um balde, e como o pó miúdo das balanças; eis que ele levanta as ilhas como a uma coisa pequeníssima. (Isaías 40:15).

(...)Todas as nações são como nada perante ele; ele as considera menos do que nada e como uma coisa vã. (Isaías 40:17).

(...)Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar;

O que reduz a nada os príncipes, e torna em coisa vã os juízes da terra.
(Isaías 40:22,23).

(...)Levantai ao alto os vossos olhos, e vede quem criou estas coisas; foi aquele que faz sair o exército delas segundo o seu número; ele as chama a todas pelos seus nomes; por causa da grandeza das suas forças, e porquanto é forte em poder, nenhuma delas faltará.

Por que dizes, ó Jacó, e tu falas, ó Israel: O meu caminho está encoberto ao Senhor, e o meu juízo passa despercebido ao meu Deus?
(Isaías 40:26,27).

Neste exatíssimo momento, porém, mesmo sem Carnaval, e à parte da fila de abominação demais que se tem e não se tem notícia, nalgum canto, e é um canto para cada problema, há um homem possuindo uma mulher que não é a sua – ainda que com consentimento; um pai possuindo a própria filha, sem ou com consentimento; um irmão possuindo sua irmã – com ou sem consentimento; um homem possuindo o outro, e uma mulher se envolvendo com a outra; alguém articulando a morte de alguém, quem sabe o esposo a morte da esposa, ou a esposa a morte do marido – que seja somente no desejo, e ainda outra pessoa consumando a morte doutro alguém, quem sabe irmão contra irmão, por todo tipo de motivo; uma pessoa fraudando a outra nos negócios, outros fraudando um contrato, talvez um ‘simples’ contracheque, ou fazendo outro tipo de maldade contra alguém, que ainda enumerar não me seria possível; outros, de novos à velhos, de homem à mulher, enfiados na Internet, seja traindo virtualmente, que seja até no pensamento, kakara enfiada na pornografia [digo do que em parte até conheço, conforme, ao ser perguntado por um irmão, Cleverson Rodrigues, do Canal MDesvendai, ao conversarmos por telefone essa tarde sobre o assunto “pecado original”, se eu já havia acessado sites pornográficos, cuja resposta que dei foi que não, acessado não: eu morava dentro desses sites! O fazendo quase se urinar de tanto que ele riu – só não lhe falei do resto das kabroeiras que andei fazendo, pecando contra minha esposa na época e contra o meu próprio corpo, tudo em nome do ‘prazer dos segundos’ – que resolvi trocar pela promessa do prazer eterno], e todos, digo ainda dos que pecam os mais terríveis dos pecados como quem toma um copo d’água e sem que a cara sequer fique vermelha, pensando que o Deus dos Céus não está vendo e que contas não serão cobradas/prestadas, exatamente como expressa o último versículo aí logo acima, mas que na verdade está tudo sendo visto e anotado. Sendo que O que promete salvação e Único que pode perdoar a carga que for de pecado que se tenha nas costas, está com os braços abertos e estendidos, clamando por ser Ouvido. Ávido por abraçar quem, com os olhos no Alto e os ouvidos abertos, O queira escutar. E tá valendo, caso sua pessoa se encaixe no que for que você se encaixe do relacionado acima, ou ainda nalguma outra relação cujos itens enumerar aqui não seria aconselhado, nesse exato momento você resolver O escutar ainda que com “os olhos”. Se é que você me entendeu.

Eu sei que não é fácil deixar a bagaceira da vida que você pode estar levando, visto que, conforme já te falei, disso, digo da “bagaceira”, eu um dia fui professor. Eu sei que é [parece] gostoso a farra. Mas, além de saber [agora] que isso vai custar caro, não será pelas tuas forças que você vai conseguir, mas pelas forças do Espírito d’Ele. Do jeitinho que aconteceu comigo, consciente que, quando pelo Espírito de Deus fui levado a saber, que (...)Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte. (Provérbios 14:12), somente bastando que eu metesse o pé e tudo começou a acontecer. Mas, somente esclarecendo, qual foi esse tudo? O tudo de que te falo, vai na direção da compreensão correta da proposta do Evangelho, do discernimento do que Ele fala, pela leitura bíblica, e das visitas que Ele tem feito aos que O tem recebido e se alistado para a Batalha juntamente com os demais soldados do Seu Exército. E para o caso de sua pessoa, em não sendo você um ateu ou ateia convicto/a – ou ainda que seja não ser dada à leitura bíblica [quanto à isso fique tranquilo, que nem os apóstolos às compreendiam mesmo depois da ressurreição, tendo Jesus estado tanto tempo com eles, conforme você pode conferir em Lucas 24], até quero te propor um teste, até um desafio se você não for dos que não creem gratuitamente em Deus, e se mesmo assim algo nessa mensagem tiver tocado ou ao menos trazido algum questionamento novo ao teu coração: ore a Ele, mesmo que você não O considere como nada, simplesmente por não entende-Lo, Lhe perguntando algo sobre o que você está lendo, pedindo-Lhe que te dê um sonho – sim, sendo especifico/a, para o caso de você pedir um sinal sem definir qual seria o sinal, a menos que você tenha um pedido em específico, e depois você se achar com duvida de se foi mesmo Ele ou se por pura coincidência o fato ter acontecido, e nesse sonho haja algo relacionado ao que você está lendo. Se quiser, até defina o trecho. Então, assim que você tiver sua resposta, escreva para o e-mail desse site, que você encontra no rodapé da página, me conte o sonho, se você não entender o enigma com que Ele, conforme Sua vontade, virá a você. Que não tenho dúvidas de que sua pessoa não tardará em se alistar para a batalha.

Só não se esqueça de que numa guerra não há qualquer soldado que saia do campo de combate sem qualquer arranhão. Deles que até saem baleados, nuns casos, por alguma distração diante do inimigo, e noutros, alvejados algumas vezes pela arma dalgum suposto companheiro, o que é chamado de “fogo amigo” – cuja cartilha de aviso que coisas do tipo, promovida por soldados infiltrados na tropa pelo adversário, acontecerão até o fim da missão, você pode encontrar nas Escrituras gerais, no livro que o oficial de guerra chamado Mateus deixou anotado no que se chama capitulo 13, versículos 26-30, e por aí vai. Apesar disso, doutra coisa você deve vir sabendo, é que na guerra um soldado jamais deixa um colega ferido, ou perdido, para trás (lembra da imagem, que ilsustra esse texto? Pois é). Ele tem que se virar no que for necessário para carrega-lo até um lugar seguro, de preferência o acampamento. Também é praxe de guerra, dividir tanto a Água quanto o Pão com o colega que tiver fome ou sede. E bobo que você não é, claro que notou que as iniciais maiúsculas tanto num quanto noutro produto, não foi usado por qualquer acaso. Ah, e sabe o que acontece com a tropa que deixa um combatente ferido para trás, se ela, a tropa, tiver tido como socorrê-lo e não tiver feito o menor esforço para tanto, se a situação chegar ao conhecimento do comando? Ela, a topa, recebe a missão de voltar e, resgatar o soldado a qualquer preço.  Uns dos altares, tem abandonado à própria sorte seus soldados feridos, mas você não deve se intimidar com isso, e é por isso o treinamento, justamente para que você, um soldado experimentado, o jogue nas costas com o fim de que o baleado, sofrendo ataques das feras do campo [até cabe te relembrar Ezequiel 34; 1-31], acabe dentro do saco da boca fechada. E se o soldado abandonado morrer por causa do abandono, nem dizer as sanções que sofrerão os comandantes da tropa, seria bom.

Porém, bem diferente do que acontece com o soldado que, destreinado, talvez por indisciplina, acaba caindo durante a batalha e lá mesmo é sepultado, que recebe horarias verbais, salvas de tiro e medalhas de mérito por sua “bravura”, no Evangelho o soldado que por indisciplina perante o General, que o acompanha ombro-a-ombro, e rejeição ao treinamento e leitura do Mapa, acabar ficando pelo caminho, atingido pelo Inimigo, só receberá qualquer benefício se o tiro não lhe for mortal, e o permitir que se levante e ele caminhe em frente. Se ligue.

Agora com sua licença, para a homenagem a mais um cientista que, depois de tanto apanhar das próprias convicções, acabou por se render à existência de Deus, que em seguida quero fazer uma homenagem às avessas à uma determinada criatura, moradora da Nova Dias d’Ávila, que “cuspiu” na cara do mesmo pessoal meu que atendeu o sujeito de Simões Filho, conforme te contei, que não acredita em Deus, que também deve te servir de reflexão:

Antes, porém: [O genoma humano é o conjunto completo de sequências de ácido nucleico codificado como DNA dentro dos 23 pares de cromossomos nos núcleos das células e em uma pequena molécula de DNA encontrada nas mitocôndrias individuais. Usualmente, o genoma mitocondrial é tratado separadamente do genoma nuclear.

Os genomas humanos são compostos tanto por genes de DNA codificadores de proteínas quanto por DNAs não codificadores].
“Descobri que há uma harmonia maravilhosa nas verdades complementares da fé e da ciência. O Deus da Bíblia é também o Deus do genoma. Deus pode ser encontrado na catedral e no laboratório. Investigando a criação incrível e majestosa de Deus, a ciência pode na verdade ser uma forma de louvor”. Sabe quem disse isso? Francis Collins (1960-), diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA e diretor do Projeto Genoma Humano. Ele “arrebentaria” ainda mais, se tivesse dito que excelência de louvor está em enfim compreendermos, digo a Ciência, que antes de em qualquer outro lugar, o Deus da criação pode ser encontrado dentre de cada indivíduo por Ele criado. Mas valeu.

“Deus não existe!”. Agora sabe quem disse isso? A velha da Nova d’Ávila, que para variar, assim como não sabe ponde anda o próprio nariz, sequer o esgoto da casa que construiu é capaz de dizer por onde passa; que autorizou os trabalhadores fazer 4 furos de dois centímetros num piso velho de doer, e feio de fazer sofrer que para ele olha, tal e qual a consciência que ela tem, que depois desdisse o que havia dito, exigindo que a empresa troque, à sua escolha, todo o piso do ambiente, sem absolutamente acordo algum mesmo sabendo que estava errada. Mas esse não é o problema, porém a dor está é em ver uma criatura, na pele e no osso, quase não se aguentando em pé, com os dois pés na cova de tão velha, e a uma hora dessas ainda coberta de arrogância, soberba e loucura, sem a menor noção do juízo que a espera. E por que essa criatura no texto? Para ajudar a quem possa interessar a, usando-a como exemplo dos passos a não serem seguidos, se ainda jovem e descrente de Deus, se avaliar o quanto distante ou perto se está duma pessoa justa, de quem Deus venha a ter misericórdia, ou se acumulando, enquanto a idade avança, ou o restinho d’água escorrendo por entre os dedos sem que se dê conta do dia chegando, afora as surpresas da vida de que nenhum velho ou novo está livre, para que você não vá despertar quando estiver batendo os joelhos, sem conseguir se manter em pé quando diante do justo Juiz, então tarde demais.

Mas, em se tratando sua nobreza duma pessoa especial, um poço de amor e bondade, antes que você estranhe as colocações que faço sobre a velha asquerosa, que ainda bateu o portão na cara dos meus funcionários, depois que eles tentaram pregar para aquele arremedo de gente, e por vir sua conduta posta em xeque por pessoas com um terço de sua idade, ainda que já te tenha dito, e mais ainda com fim disso mesmo, reflita na atitude da tal criatura e segure essa aí, que vem das próprias Escrituras:

(...)Não odeio eu, ó Senhor, aqueles que te odeiam, e não me aflijo por causa dos que se levantam contra ti?

Odeio-os com ódio perfeito; tenho-os por inimigos. (Salmos 139:21-22).

(...)Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade
(Salmos 5:5).

Mas, tendo você me compreendido e feito coro com minha pessoa quanto a essa imitação de gente, salvo em havendo arrependimento para os que de tais coisas tem enchido os seus dias, há muito mais coisas que a turma faz, que incomoda a Deus bem mais do que uma pessoa mandar seus contratados fazerem uns furos de dois centímetros em quatro pedras do seu piso horroroso e depois exigir uma reforma completa no seu quintal, que pode levar para o inferno bem mais rápido do que uma velha asquerosa que renega a Deus, quando nem ela mesma consegue mais dar dois passos sem se segurar nas paredes, que estão descritas logo à baixo, que sabe, do que você ainda não tem conhecimento, mesmo que à tua disposição aí na tua Bíblia, ou Bíblia da tua tia, com que tu deve te ocupar bem mais do que ficar praguejando comigo a herege caquética e inimiga de Deus da Nova Dias d’Ávila:  

(...)Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera.

E o homem que se deitar com a mulher de seu pai descobriu a nudez de seu pai; ambos certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles.

Semelhantemente, quando um homem se deitar com a sua nora, ambos certamente morrerão; fizeram confusão; o seu sangue será sobre eles.

Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles.

E, quando um homem tomar uma mulher e a sua mãe, maldade é; a ele e a elas queimarão com fogo, para que não haja maldade no meio de vós.

Quando também um homem se deitar com um animal, certamente morrerá; e matareis o animal.

Também a mulher que se chegar a algum animal, para ajuntar-se com ele, aquela mulher matarás bem assim como o animal; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles.

E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela a sua, torpeza é; portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã, levará sobre si a sua iniqüidade
(Levítico 20:10-17).

Isso e muitas outras “coisitas” mais, que não vai dar para elencar aqui, devido não ser essa a proposta, mas que você bem sabe que tem gente fazendo escondido, que está sendo anotado nos céus, para as tais “nobrezas” depois prestarem contas, como já disse, se não houver arrependimento e abandono da prática, mas vale ventilar ao menos sobre o comportamento fraudulento com que uns e outros e umas e outras tem tratado seus negócios, além de toda sorte de lesão à consciência alheia de que você deve saber, se ligue.

Mas como o papo hoje é com a turma da dúvida oficial – digo oficial que supostamente tinha alguma base cientifica para duvidar da existência de Deus, mas que enfim começa a virem cair por terra seus supostos embasamentos, e também com os que, com ausência de supostos embasamentos e também de mínima arrogância, somente leigos e inquietos sobre de donde veio e para onde se está indo, no que não se enquadra o pessoal do esgoto entupido de que você já sabe, me deixe encaminhar para o fechamento do texto, te trazendo a fala de mais um que se rende à existência do Deus todo-poderoso, de onde extrairei os argumento do porquê de tanto eu te garantir que será assim, como prometem as Escrituras Sagradas:  

“Muitos cientistas são também pessoas com uma fé religiosa bastante convencional. Eu, um físico, sou um exemplo. Creio em Deus como Criador e como Amigo. Isto é, creio que Deus é pessoal e interage conosco”. E isso quem disse não foi ninguém menos do que William Daniel Phillips (1948), Nobel de Física em 1997. E sim, Deus é mesmo uma pessoa, e interage conosco, e não somente via Sua criação, como sugere Phillips, mas interage também pessoalmente, como posso garantir, haja visto as visitas que tenho recebido d’Ele, chegando a conversarmos duma forma extraordinária como nem descrever me é possível ou permitido, mas que pelos enigmas de que - e talvez você mesmo/a, sua pessoa tem acompanhado ao longo dos já mais de 50 textos publicados, onde a conversa inclusive, e principalmente, te tem envolvido. E é a experimentar experiências como as que te tenho descrito, que Ele me manda aqui te convidar para que enfim se aliste para o Seu Exército, sem duvidar, visto que, assim como foi nos dias de Noé, onde a turma metia o pé na jaca e não somente isso, mas zombavam do homem de Deus, pela fé que ele expressava ter no Criador, acabaram por beber bem mais água do que pretendiam. E até hoje dorme no sono da morte, sem a mínima noção de para onde serão mandados quando acordarem.

Talvez tenha havido, dos que me leem, alguém que me tenha como um crente fanático. Mas como não ser se, como enfim entendeu o cientista, Deus é uma pessoa, e essa Pessoa já veio a mim tantas e tantas vezes que nem contar me é possível? Como em uma das mais recentes Ele me colocou debaixo d’água, e não em qualquer água, mas uma água que de tão cristalina não seria possível descrever, onde eu me ouvia falando naturalmente como se eu estivesse fora da água, porém sentindo um certo medo de me afogar – o que indica que não se deve nutrir autoconfiança destemperada, uma vez que ainda estamos em guerra, o que sugere que ao menor descuido podemos acabar alvejado mortalmente pelo Inimigo, mas quis me dar uma, das tantas outras que já me deu, amostra do que aguarda todo àquele que crê no Seu Filho, e que certamente te mostrará também, se você, jogando o orgulho para baixo dos teus pés, fizer a oração que te recomendei que faça.

Dito isto, agora é contigo. Somente não tente calcular sobre “como será” haja visto que, como aconteceu comigo, que mergulhei de cabeça pouco me importando de como seria a caminhada, somente focado em não ficar ardendo na quentura, ainda mais eu, que sou inimigo de calor, e acabei sendo conduzido ao conhecimento de muito mais do que eu esperava ser levado a saber. Não à toa está escrito que, somente aos amigos O Filho dá a saber os segredos do Pai. E nisto, em ser Ele uma Pessoa, o cientista não mente absolutamente, visto que eu sou, mais uma vez, prova viva disso. Pois, e ainda mais que já fui chamado por Ele mesmo, de amigo e homem mui desejado, a quem Ele disse que tem “dado informações privilegiadas” – e as aspas não são por se tratar duma frase proforma, mas as exatas palavras com que o Espírito me disse isso, com Quem, ainda sendo miserável, homem que sou, eu tenho mantido um relacionamento interpessoal. Acredite ou não. E em nome de Quem eu estou aqui te convidando para não somente conhecê-Lo mas também estabelecer com Ele uma relação de amizade.

E então, não sabe por onde começar um novo caminhar, ou tem se visto sem chão? Faz como já se houve dito: Mete o pé, que o chão aparece.

Agora escuta aqui, e depois corre pro Salmo 9 - mas de olho no Futuro, juízo, que...

...Jesus é bom!

Shalom.

Antônio Franco Nogueira - à serviço do Reino eterno.

Aqui, mais textos do autor

‘(...)Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer’. (João 15:15).  Na imagem, Antônio Franco Nogueira, servo do Deus Altíssimo - Foto: Mônica Nogueira Franco
‘(...)Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer’. (João 15:15). Na imagem, Antônio Franco Nogueira, servo do Deus Altíssimo - Foto: Mônica Nogueira Franco

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br