Galeria de fotos

Não perca!!

Nacional

PF apura invasão do celular do ministro Sergio Moro (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil)
PF apura invasão do celular do ministro Sergio Moro (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil)

Três homens já foram presos ou condenados por outros crimes; mulher sem passagem pela polícia também está entre presos. Prisões de supostos hackers ocorreu na terça-feira.

Um DJ, a mulher dele e um amigo estão entre os quatro presos na terça-feira (23) na operação que investiga a invasão do celular do ministro Sergio Moro.

Os dois homens são de Araraquara, no interior de São Paulo, se conhecem desde a infância e têm passagens pela polícia, de acordo com o portal A Cidade ON de Araraquara, do grupo EPTV, afiliada da TV Globo. A terceira pessoa é a mulher de um deles, que também morou em Araraquara.

Quem são os suspeitos presos

Gustavo Henrique Elias Santos, de 28 anos


Era DJ e já foi preso por receptação e falsificação de documentos. Ele foi condenado em 2015 a cumprir seis anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto. Na terça-feira, foi preso em um apartamento em São Paulo junto com a mulher. A família dele mora no bairro Selmi Dei, periferia de Araraquara. A defesa de Santos informou não acreditar que ele esteja envolvido nos crimes.

Suelen Priscila de Oliveira

Mulher de Gustavo, Suelen não tinha passagem pela polícia. Ela foi presa em São Paulo junto com o marido. A defesa informou não acreditar no envolvimento dela nos crimes.

Walter Delgatti Neto, de 30 anos

Mais conhecido como Vermelho, Neto foi preso em 2015 por falsidade ideológica e em 2017 por tráfico de drogas e falsificação de documentos. Ele já foi condenado por usar o cartão de crédito de outra pessoa, tráfico, estelionato e falsificação. Nesta terça, ele foi preso em Araraquara. A defesa dele não foi localizada para comentar o assunto.

Danilo Cristiano Marques

Preso em Ribeirão Preto nesta terça-feira, ele já teve condenação por roubo, segundo a PF. Até a última atualização desta reportagem, a defesa dele não tinha sido localizada para comentar o assunto.

Ações da PF em 4 cidades

Além dos mandados de prisão temporária que a PF cumpriu na terça-feira, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em endereços relacionados aos supostos hackers e a pessoas que teriam atuado em conjunto com eles.

De acordo com a PF, os mandados foram executados nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto. A autorização foi dada pelo juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília.

Prisões e condenações anteriores

2013: Santos preso por receptação

Gustavo Henrique Elias Santos tinha sido preso em 2013 por ter receptado uma caminhonete Hillux avaliada em R$ 91 mil. As placas e o documento do veículo foram alterados para que ele pudesse circular. Na ocasião, foram apreendidas na casa dele munições calibre 38 e 735, além de simulacros de armas reais

A defesa entrou com recurso ele foi liberado. Em 2015, foi julgado e condenado a cumprir seis anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto, mas a defesa recorreu em instância superior e Santos permaneceu solto.

2015: Delgatti e Santos detidos em parque

No mesmo ano da condenação de Santos, ele e o amigo Walter Delgatti Neto foram detidos dentro de um parque temático em Santa Catarina. Na ocasião, Santos foi ouvido e liberado. No entanto, Delgatti Neto ficou preso por falsidade ideológica, por ter apresentado uma carteira vermelha com as inscrições da Polícia Civil. Dentro do carro dele havia uma arma e munições.

2015: Delgatti condenado por uso de cartão

Em agosto de 2015, Delgatti foi condenado a um ano de prisão em regime aberto por ter pagado a conta de um hotel em Piracicaba (SP), no valor de R$ 740, com o cartão de crédito de um senhor de 75 anos. O crime tinha sido cometido em 2012.

2017: Delgatti preso por tráfico e falsificação

Em abril de 2017, Delgatti foi preso novamente, desta vez por tráfico de drogas e falsificação de documentos. Com ele foram apreendidos comprimidos de um medicamento com venda proibida, além de uma carteirinha de estudante de medicina da USP com a foto dele e dados pessoais de outra pessoa.

Delgatti acabou sendo condenado outra vez a dois anos de prisão pela falsificação e por tráfico.

2018: Delgatti condenado por estelionato

Em fevereiro do ano passado, Delgatti também foi julgado por envolvimento em um estelionato cometido em março de 2015. Na época, ele teve acesso a um cartão bancário furtado de um escritório de advocacia.

Com o cartão, Delgatti fez uma série de compras, incluindo poltrona, cabeceira de cama e roupa de cama. Ele foi condenado a um ano e dois meses de prisão em regime semiaberto.

Operação da PF


O operação que prendeu os quatro suspeitos de envolvimento na invasão do celular de Moro foi batizada de "Spoofing". Segundo a PF, o termo se refere a uma "falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa, fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é".

O objetivo, informou a PF, é "desarticular organização criminosa que praticava crimes cibernéticos".

PF apura invasão do celular do ministro

Em Araraquara, o advogado de defesa de Santos afirmou que os policiais federais de Brasília foram até a casa da mãe dele, no bairro Selmi Dei, em busca de provas, como documentos, mídias, pen drives, celulares e aparelhos de computador.

"Vasculharam toda a residência e nada foi levado. Essa é a informação da mãe do meu cliente", afirmou o advogado à EPTV.

Também foram feitas buscas na casa da avó de Delgatti Neto, no bairro Vila Xavier. Ele não estava no local e não há informações sobre apreensões na casa.

Inquéritos

A Polícia Federal já instaurou quatro inquéritos para investigar o vazamento de mensagens do celular do ministro da Justiça. A PF também abrirá investigação para apurar suposta invasão do celular de outro ministro, Paulo Guedes (Economia).

No caso de Moro, os investigadores trabalham com a hipótese de uma ação orquestrada. Há a suspeita de que a invasão do celular do ministro tenha sido planejada.

Os investigadores estão colhendo indícios sobre a autoria, sobre quem teve acesso de forma ilegal a conversas privadas do ministro e sobre o método utilizado pelos hackers.

Gustavo Henrique Elias Santos, de 28 anos e Walter Delgatti Neto, de 30 anos, suspeitos de envolvimento em invasão de celulares (Foto: Reprodução | EPTV)
Gustavo Henrique Elias Santos, de 28 anos e Walter Delgatti Neto, de 30 anos, suspeitos de envolvimento em invasão de celulares (Foto: Reprodução | EPTV)

Veja também:

Entenda a operação que prendeu suspeitos de invadir a conta de Moro no Telegram

Vaza Jato: Deltan via Flávio Bolsonaro como corrupto e temia que Moro abafasse o caso

Vaza Jato: Deltan sugeriu que Moro protegeria Flávio Bolsonaro para não desagradar o presidente

Glenn Greenwald: “Moro sabe que eu sei tudo que ele disse e fez. E sabe que vamos contar tudo”

Veja e Intercept revelam conversas entre Daltan e desembargador do TRF4 que aumentou pena de Lula

Moro reaparece ao lado de general e comemora Previdência

Reforma da Previdência: deputados votam emendas e destaques nesta quinta (11)

“Estamos diante de uma tragédia humanitária”, diz Eduardo Fagnani sobre a Previdência

Veja como votaram os deputados da Bahia no 1º turno da reforma

Câmara aprova reforma da Previdência que deixa os pobres mais longe da aposentadoria

Fábio Pannunzio alerta sobre ameaças contra Glenn Greenwald e equipe do Intercept

Fernando Brito: "A soberba" (de Moro)

Em diálogos, Moro revela conselho de Fausto Silva à Lava Jato

Veja aponta novos crimes de Moro contra Lula

Deputado do PSOL xinga Moro de “ladrão” e sessão na Câmara é encerrada

Âncora da Globo aponta crime de Moro na perseguição contra Greenwald

Vídeo - Pimenta cobra de Moro a entrega de seu celular para perícia

Moro será ouvido por três comissões na Câmara nesta terça, 02

"Menos gente, mais radicalismo", por Fernando Brito

Lava Jato desconfiou de empreiteiro pivô da prisão de Lula, diz jornal

Rui sobre Dallagnol: "Uma atitude tão perversa quanto a ditadura"

Glenn reforça autenticidade da Vaza Jato e responde ataques sobre edição do material

The Intercept divulga mensagens de procuradores criticando Moro

Veja publica primeira matéria da parceria com The Intercept e complica Sérgio Moro

A ‘Vaza Jato’ é um abalo na extrema-direita: só se derrota o autoritarismo desnudando suas entranhas

Greenwald diz na Câmara que áudios farão aliados de Moro se arrepender muito; jornalista diz que ex-juíz engana população com tática 'cínica'

STF decide manter Lula preso e adia análise de suspeita sobre Sergio Moro

Glenn Greenwald vai à Câmara falar do material que tem contra Moro e Dellangnol

Intercept vaza novos diálogos da Lava Jato; confira

Tijolaço, sobre o ex juiz no Senado: Moro produziu provas contra si mesmo

Wagner aperta e Moro admite deixar cargo caso todos os vazamentos sejam apresentados

Senadores de oposição desmontam estratégia de Moro, diz jornalista do Valor

Moro deturpa papel da imprensa e desafia jornalistas a 'entregarem material à polícia'

Intercept (novos trechos): Moro e MP “blindaram” FHC de acusação igual à de Lula

Entrevista - 'Temos um arquivo colossal' da Lava Jato, diz editor do Intercept

Intercept chama Moro de “mentiroso sociopata” e promete divulgar também áudios

Moro afirma que não reconhece autenticidade de mensagens de site

Novos trechos de conversas - Moro pediu para Lava Jato rebater defesa de Lula, diz Intercept

Vídeo - Em 1ª entrevista após caso Moro, Lula afirma à TVT que ex-juiz é mentiroso

Bolsonaro usará celular criptografado após vazamento de conversas de Moro

Lava Jato - Novo trecho de conversas envolve Moro, Dallagnol e ministro do STF

Como e por que o Intercept está publicando chats privados sobre a Lava Jato e Sergio Moro

“Ainda falta muita coisa para contar, e nós iremos”, informa editor do Intercept

“Podemos estar diante do maior escândalo da República”, diz Haddad sobre conluios revelados entre Moro e Dallagnol

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br