Galeria de fotos

Não perca!!

Política

A publicação da Abril faz uma 'vacina' antecipando-se ao chumbo grosso que vem aí contra o ex-juiz da lava jato (Foto: Reprodução)
A publicação da Abril faz uma 'vacina' antecipando-se ao chumbo grosso que vem aí contra o ex-juiz da lava jato (Foto: Reprodução)

A revista Veja revela que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, está no bico do corvo por andar com más companhias. A publicação da Abril faz uma “vacina” antecipando-se ao chumbo grosso que vem aí contra o ex-juiz da lava jato.

O pivô da crise é o empresário Fábio Aguayo (de camisa preta, indica a revista), dirigente do Sindicato das Empresas de Gastronomia, Entretenimento e Similares de Curitiba (SindiAbrabar). Ele é amigo de Moro daqueles que arruma ingresso para shows e reserva mesas em bares badalados na capital paranaense para o agora ex-juiz.

O desatento Moro, vez ou outra, deixa se fotografar com membros de ‘organizações criminosas’ — adjetivo que ele e alguns procuradores costumam usar contra desafetos políticos.

Em 2017, Moro bateu retrato ao lado de dois funcionários do Ministério do Trabalho que posteriormente foram presos pela Polícia Federal sobre a acusação de vender cartas sindicais (autorização para funcionamento de sindicatos).

Sobre os moços presos pela Operação Registro Espúrio — Renato Araújo Júnior (à dir.) e Leonardo Cabral Dias (à esq.) — a Veja, comportando-se como advogada, jura que “Moro só conheceu [os galalaus] na hora de bater a foto”.

O diabo é que em depoimento, Cabral disse à PF que só concedeu registro sindical ao SindiAbrabar porque Moro interveio pessoalmente para conseguir a carta sindical para o amigo de festas.

“Cabral diz que o registro do SindiAbrabar só foi deferido depois de intervenção direta de Moro”, conta a Veja, que ainda relata a tentativa de Aguayo regularizar a entidade havia cinco anos no Ministério do Trabalho. “Foi quando Sergio Moro teria ligado para o ministério, pedindo em favor do amigo a Cabral, que coordenava o setor de registros sindicais”, prossegue a reportagem. “O ex-servidor conta que a carta de autorização foi concedida logo depois.”

Portando-se como procuradora de Moro, a Veja ainda profetiza que advogados e parlamentares estão armando a cama de gato para o ministro da Justiça.

Aguayo reclamou à Veja que “a turma do PT ficou em cima da gente” e o festeiro Moro negou à publicação da Abril que tenha pedido ou falado com os moços presos pela PF.

O PT instigado acerca do tema, por sua vez, foi bastante lacônico em relação às suspeitas que recaem sobre Moro: “diga-me com quem andas e eu te direi quem tu és”.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br