Galeria de fotos

Não perca!!

Política

A deputada federal Manuela d'Ávila (PCdoB) tem um desafio enorme pela frente: assumir uma candidatura pelo partido comunista após mais de sete décadas. Ao longo dos últimos anos, o PCdoB sempre foi um partido que atuou como braço auxiliar ao PT na construção da ideologia de esquerda no país.  “A pré-candidatura é um desafio por várias razões. A primeira delas é porque, em 95 anos de história do meu partido, essa é a terceira vez que lançamos candidatura. Lançamos em 1930, em 1945 e lançaremos agora em 2018. Por que nós lançamos nesses três ocasiões? Porque a crise chegou a um ponto muito grande. É preciso apresentar saídas para enfrentá-la”, diz Manuela à Tribuna.

Há muita gente que diz que o surgimento da candidatura do PCdoB e de outros partidos aliados ao PT surge com o objetivo de dar fôlego à candidatura do ex-presidente Lula e forçar um segundo turno. Manuela refuta a teoria: “Nossa candidatura surge e tem relação exclusivamente com os desafios do Brasil. Nós somos o um país com 3 milhões de desempregados, com 60 mil mortes violentas por ano, em que as pessoas tem medo de andar na rua dos grandes centros, a nossa economia não cresce, a reforma trabalhista escravizará as mulheres e os trabalhadores em geral”.

“Nós tivemos uma relação longa de apoio às candidaturas de Lula e Dilma. Nós mais do que apoiamos, nós governamos juntos. Construímos mudanças que são importantes para o Brasil.  Quem tem coragem de dizer que não foram importantes as 10 milhões de moradias? Quem tem coragem de dizer que não foi importante o Mais Médicos, que buscou levar médicos para o Brasil? Nós construímos políticas importantes”. Segundo Manuela, o PCdoB deve percorrer vários estados brasileiros para a construção de uma plataforma de governo. “Um programa não surge do nada. Então nosso foco é a retomada do crescimento da economia. Como fazer com que o governo possa investir e possa garantir infraestrutura e políticas sociais. Então, nós nos dedicaremos nos próximos meses para rodar o Brasil conversando com pessoas e construindo o nosso programa”.

“Nós achamos que após o ano passado, com o impeachment de Dilma, um novo ciclo se abre e nesse novo ciclo precisamos apresentar novas propostas. Por isso que nós construímos a pré-candidatura. Para mim, é um desafio tremendo, porque o Brasil é um país continental. Nós nos lançamos no desafio de pensar um projeto de desenvolvimento do Brasil”.

 

Enquete

Pena de morte no Brasil
 
Banner

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br