Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

Sistema eleitoral brasileiro é alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro e do seu ministro da Defesa, o general da reserva, Walter Braga Neto (Foto: Reprodução)
Sistema eleitoral brasileiro é alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro e do seu ministro da Defesa, o general da reserva, Walter Braga Neto (Foto: Reprodução)

As urnas eletrônicas brasileiras foram desenvolvidas por militares do Exército, Marinha e Aeronáutica na década de 1990. O sistema eleitoral brasileiro é alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do seu ministro da Defesa, o general da reserva, Walter Braga Neto.

De acordo com o ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Velloso, responsável por desenvolver a ideia entre 1994 e 1996, foi criado um grupo técnico para desenvolver o sistema, formado por três engenheiros do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um do Exército, um da Aeronáutica, um da Marinha e um do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD).

Em um documentário produzido pelo TSE em 2013 – “Novos olhares sobre o tempo - Memórias da Democracia” – Carlos Velloso afirma que defendeu na época a implantação da urna eletrônica como forma de acabar com fraudes nas eleições.

“Tínhamos que fazer como que uma verdadeira cruzada por este país para demonstrar que seria possível informatizar o voto, porque havia uma descrença muito grande, inclusive de colegas”, recorda o ex-ministro. A partir daí, segundo Velloso, a iniciativa ganhou o apoio da população.

Ainda segundo o ex-ministro, durante os estudos para a fabricação da urna eletrônica, representantes de diversas empresas estrangeiras ofereceram urnas para o Brasil, mas todas as ofertas foram recusadas.

“Eu dizia não. Nós vamos fazer uma urna tupiniquim. Simples e barata. E assim conseguimos!”, disse.

De acordo com o TSE, em maio de 1996, um total de 400 urnas eletrônicas foi distribuído para todo o país, para que, em outubro do mesmo ano, eleitores de mais de 50 municípios pudessem participar das primeiras eleições informatizadas do Brasil.

Em 2005, na sua segunda gestão à frente do TSE, Carlos Velloso deu início ao projeto para a identificação digital do eleitor, um aperfeiçoamento da informatização do processo eleitoral, aprimorado e implementado pelas administrações depois dele. A biometria é uma tecnologia que confere mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação. O leitor biométrico, acoplado à urna eletrônica, confirma a identidade de cada pessoa por meio das impressões digitais, armazenadas em um banco de dados da Justiça Eleitoral e transferidas para as urnas eletrônicas.

Veja também:

Bolsonaro diz que apresentará 'provas de fraude' na eleição na 'semana que vem'

TSE lança campanha para defender urna eletrônica

Adoção do semipresidencialismo no Brasil pode repetir história como farsa

Vale tudo contra Lula (de novo)

Contra impeachment, Lira articula semipresidencialismo

Bolsonaro deixa hospital sem máscara e diz que só Deus o tira da presidência

'Eleição vai haver, eu garanto', declara Barroso

Datafolha: 59% dizem que não votariam em Bolsonaro; rejeição de Lula é de 37%

'Já tá certo quem vai ser presidente. A gente vai deixar?', diz Bolsonaro

Vídeo - Sem provas, Bolsonaro insinua fraude e ameaça eleição de 2022

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br