Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

Na casa de Rosilene moram oito pessoas (incluindo a filha) e sete animais de estimação (Foto: Reprodução/UOL)
Na casa de Rosilene moram oito pessoas (incluindo a filha) e sete animais de estimação (Foto: Reprodução/UOL)

500.000 brasileiros morreram, até o momento, por causa da covid-19. Eles contraíram o vírus e não sobreviveram à doença. Quando se fala de covid-19, esse é o primeiro número, a primeira informação que vem à cabeça.

No entanto, existem outras centenas de milhares de brasileiros que sobreviveram ao vírus, mas estão sofrendo por outro "efeito colateral" da pandemia: a fome.

Quem vivia de "bicos" e trabalhos autônomos, quem nunca teve carteira assinada, quem vendia balinha em ônibus ou na silaleira, quem fazia faxina ou lavava roupa de ganho, quem sobreviveu a 2020 com o auxílio emergencial, agora conta com a ajuda e a caridade se outros, para ter o mínimo.

Em Camaçari, a prefeitura não divulga ativamente dados e estatísticas sobre a população mais vulnerável, mas, quem anda nas ruas vê claramente o aumento do número de pedintes. No resto do Brasil, como mostra a matéria do UOl, a situação não está tão melhor assim.

A família de Rosilene Maria Ferreira da Silva, 41, vive de bicos e doações. "Não repara a bagunça", diz a auxiliar de limpeza desempregada, ao abrir a porta da casa de quatro cômodos e um banheiro onde vivem oito pessoas, quatro gatos, dois cachorros e uma tartaruga, no Jardim Peri Alto, na zona norte de São Paulo.

Antes da pandemia de covid-19, ela conta, eles "viviam com dificuldade, mas até que era estável".

"Agora, a gente tá vivendo como dá. Os filhos fazem bico, o que aparece, ajudante de pedreiro, carreto. Meu marido também, mas é pouca renda, não passa muito de R$ 250. Eu peguei o auxílio de R$ 150 e o ano passado, de R$ 600. Impactou muito essa diferença."

A família de Rosilene Maria Ferreira da Silva, 41, vive de bicos e doações (Foto: Reprodução/UOL)
A família de Rosilene Maria Ferreira da Silva, 41, vive de bicos e doações (Foto: Reprodução/UOL)


O Brasil tem mais de 14,8 milhões de desempregados, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) —o maior contingente de pessoas em busca de trabalho desde o começo da série histórica, em 2012.

Na periferia de São Paulo, não é difícil encontrar histórias como a de Rosi: famílias numerosas vivem na mesma casa e estão sem renda, pois todos trabalhavam em serviços autônomos ou estabelecimentos que foram fechados.

A auxiliar de limpeza diz que largou o vício do crack há dois anos. "Saí por mim mesma e pelo amor de minha mãe, que veio do Recife me tirar dessa situação", lembra, emocionada. Agora, faz planos para quando a pandemia acabar.

"Se um dia eu tiver condições, quero ir para um lugar maior, para ter um lugar para os meus filhos dormirem e poder cuidar deles, enquanto eles quiserem."

Moradores da Portelinha, comunidade da zona sul da capital, aguardam doação de alimentos da ONG Treino na Laje (abril, 2020) (Foto: Reprodução/UOL)
Moradores da Portelinha, comunidade da zona sul da capital, aguardam doação de alimentos da ONG Treino na Laje (abril, 2020) (Foto: Reprodução/UOL)

Moradores da Vila Silvia, zona leste da capital, durante a pandemia (junho, 2020) (Foto: Reprodução/UOL)
Moradores da Vila Silvia, zona leste da capital, durante a pandemia (junho, 2020) (Foto: Reprodução/UOL)

Sem conseguir fazer o isolamento social, os moradores da periferia convivem de perto com a covid-19.

Os inquéritos sorológicos realizados pela Prefeitura de São Paulo apontam que os bairros de menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) —ou seja, com menos qualidade de vida— mantêm uma incidência maior de casos. Desde o começo da pandemia, as regiões mais vulneráveis da cidade são as que somam mais mortes por causa do coronavírus.

Levantamento divulgado em maio deste ano indica que:

36,2% da população não vacinada de bairros com baixo IDH tiveram a doença,
33,7% nas regiões de IDH médio, e
29,9% nas de alto.

Cleide e os filhos dependem de doações e sobras da feira livre no Jardim Peri Alto, zona norte (Foto: Reprodução/UOL)
Cleide e os filhos dependem de doações e sobras da feira livre no Jardim Peri Alto, zona norte (Foto: Reprodução/UOL)


"Temos um esquema: eu pego marmitex e meus filhos, frutas e verduras"

Também no Jardim Peri Alto, a lavadeira Cleide de Souza Nascimento, 40, mora com cinco dos sete filhos. Lá, a covid não chegou. Mas a dengue, sim. "Um dos meus filhos pegou. Ficou duas semanas ruim", conta.

Com pouco dinheiro, Cleide também depende de doações. Além das cestas básicas, às terças-feiras, a cada 15 dias, garante as sobras da feira livre —quando o UOL esteve em sua casa, viu uma sacola com verduras que ela havia recebido. "Eu e meus meninos saímos e temos um esquema: eu vou pegar o marmitex enquanto eles vão pegar frutas e legumes."

Ela também se vira com reciclagem. 'Quando é muito bom, coletamos uns R$ 35 por dia' (Foto: Reprodução/UOL)
Ela também se vira com reciclagem. 'Quando é muito bom, coletamos uns R$ 35 por dia' (Foto: Reprodução/UOL)


Ela também se vira com reciclagem. "Quando é muito bom, coletamos uns R$ 35 por dia."

Apesar das dificuldades, Cleide faz planos com o namorado de 23 anos, para depois da pandemia. "Quero que a gente possa voltar a respirar. E sem máscara", diz, sorrindo.

Moradores da Brasilândia, zona norte, se organizam para doar marmitas desde o ano passado (Foto: Reprodução/UOL)
Moradores da Brasilândia, zona norte, se organizam para doar marmitas desde o ano passado (Foto: Reprodução/UOL)

"Quem menos tem é quem mais ajuda"

Perto dali, na Brasilândia, a cozinheira Joana Darc dos Santos, 55, prepara, em média, 180 marmitas por dia para a comunidade, em parceria com a associação de moradores. "A gente faz alimentação para ajudar quem precisa nessa pandemia, porque sabemos que muita gente ficou desempregada."

Joana começou a fazer marmitas ainda no ano passado.

Eu achei que isso ia acabar rápido e o que a gente está vendo são as pessoas cada vez mais com dificuldade de ter o alimento na mesa. O curioso é que quem menos tem é quem mais ajuda a gente. A desigualdade já era grande, mas sinto que piorou. Tem gente passando muita necessidade. É de doer o coração."

Nilda cuida dos seis netos após a morte da filha (Foto: Reprodução/UOL)
Nilda cuida dos seis netos após a morte da filha (Foto: Reprodução/UOL)


180 marmitas são preparadas por dia para a comunidade (Foto: Reprodução/UOL)
180 marmitas são preparadas por dia para a comunidade (Foto: Reprodução/UOL)

A mineira Nilva Aparecida Correia, 58, que perdeu a visão pouco antes da pandemia, conta com a marmita de Joana para alimentar a família. A filha dela morreu há quatro meses de overdose e deixou aos cuidados dela os seis netos. "A gente vive porque tem que viver mesmo, porque gosta da vida, apesar de todo o sacrifício."

Moradores foram retirados de terreno que pertence à Igreja Internacional da Graça de Deus, na Vila Dionísia, zona norte, em maio Foto: Reprodução/UOL)
Moradores foram retirados de terreno que pertence à Igreja Internacional da Graça de Deus, na Vila Dionísia, zona norte, em maio Foto: Reprodução/UOL)

"Eles não dão chance para ninguém ter uma dignidade"

Sem emprego e sem renda, a manicure Odila Chaves, 36, também perdeu o teto no fim de maio, em uma reintegração de posse. Ela vivia em um terreno ao lado do conjunto habitacional na Avenida General Penha Brasil, Vila Dionísia, na zona norte, com mais 200 famílias. As casas, basicamente construídas com madeira, telha e placas de compensado, foram demolidas por uma retroescavadeira.

A reportagem esteve no local no dia da reintegração e encontrou famílias tentando recuperar seus pertences e preocupadas com a falta de lugar para dormir.

"A gente está aqui na luta há seis meses, porque o aluguel está difícil. Eles não dão chance para ninguém ter uma dignidade. Estão colocando mãe e pai de família desempregado na rua. Estão tirando as pessoas como se não fossem nada. A gente está saindo com uma mão na frente e outra atrás", diz Chaves, 36 anos.

Ela conta que, junto com o marido, pagava aluguel de R$ 950 no imóvel onde morava com os seis filhos. Mas, em fevereiro deste ano, foram despejados, porque não tinham como arcar com a despesa.

História semelhante é a do feirante Anderson Eduardo, 32, que foi demitido por causa da pandemia. Ele tinha comprado um freezer usado e estava vendendo bebidas na comunidade, além de alguns bicos para garantir o sustento dos três filhos. "Agora minha esposa e as crianças foram para um lado, eu vou para a Barra Funda e estou tentando garantir que ao menos a geladeira e o fogão fiquem a salvo."

Moradora acompanha a retirada dos pertences que estavam em terreno da zona norte (Foto: Reprodução/UOL)
Moradora acompanha a retirada dos pertences que estavam em terreno da zona norte (Foto: Reprodução/UOL)

Prefeitura diz que ofereceu serviço de de assistência e acolhimento (Foto: Reprodução/UOL)
Prefeitura diz que ofereceu serviço de de assistência e acolhimento (Foto: Reprodução/UOL)


O terreno onde as famílias viviam pertence ao missionário R.R. Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus. A assessoria da congregação afirma que o espaço foi invadido no fim do ano passado. De acordo com as mensagens enviadas ao UOL, o objetivo era construir um templo no local e já havia um projeto antes da pandemia.

A assessoria diz ainda que houve reuniões com autoridades antes da reintegração de posse e a Prefeitura "se dispôs a atender" as famílias. "A reintegração seguiu rigorosamente todos os requisitos determinados pela Justiça e pelos órgãos públicos", relata o texto.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a Supervisão de Assistência Social Casa Verde/Cachoeirinha cadastrou as famílias que ocupavam o terreno e orientou sobre a rede de acolhimento e assistência. A administração municipal também afirmou que a área é particular e que a reintegração de posse foi decidida pela Justiça.

Neste mês, a Assembleia Legislativa aprovou um projeto de lei para suspender ações de despejo e reintegração de posse durante a pandemia no estado. Agora, o texto depende da sanção ou não do governador João Doria (PSDB).

Anderson vendia bebidas na comunidade para sobreviver (Foto: Reprodução/UOL)
Anderson vendia bebidas na comunidade para sobreviver (Foto: Reprodução/UOL)

Moradores acompanham retirada dos pertences que estavam em terreno da zona norte (Foto: Reprodução/UOL)
Moradores acompanham retirada dos pertences que estavam em terreno da zona norte (Foto: Reprodução/UOL)

(Foto: Reprodução/UOL)
(Foto: Reprodução/UOL)

(Foto: Reprodução/UOL)
(Foto: Reprodução/UOL)

Veja também:

Fome provocada pela pandemia atinge 19 milhões de brasileiros, diz levantamento

Os brasileiros presos por furto de comida na pandemia de covid

Delegada afirma que todos envolvidos em duplo homicídio em Salvador serão punidos: 'Sejam eles quem forem'

Novo auxílio não é suficiente para cobrir linha de pobreza em nenhum Estado do país, aponta estudo

'Vendi as panelas para comprar pão e pé de galinha': os relatos da fome no Brasil às vésperas do novo auxílio emergencial menor

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br