Galeria de fotos

Não perca!!

Nacional

Na ocasião, Lopes afirmou ser inaceitável o argumento do governo de que o aumento do diesel serve para manter o cumprimento da meta fiscal.
Na ocasião, Lopes afirmou ser inaceitável o argumento do governo de que o aumento do diesel serve para manter o cumprimento da meta fiscal.

Uma das principais entidades representativas dos caminhoneiros enviou reivindicações e alertou o presidente Michel Temer sobre a iminência de uma greve de grandes proporções a sete dias do início dos bloqueios em estradas.

Num ofício enviado ao presidente em 14 de maio, a Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) avisou que, caso a categoria não tivesse o apoio do governo federal na redução de tributos e na mudança da política de reajustes da Petrobras, "uma paralisação geral" seria "inevitável".

"Imagine o Brasil ficar sem transporte por uma semana ou mais? Seria terrível para todos, mas parece que só dessa forma vocês vão voltar seus olhares para as nossas necessidades e reivindicações", diz o documento, assinado pelo presidente da entidade, José da Fonseca Lopes.

Ele não assinou o acordo proposto pelo governo na última quinta (24), dia em que a crise do diesel atingiu seu ápice e o Planalto, finalmente, cedeu, em parte, à categoria. "Isso não é uma ameaça, e sim um pensamento que aflora a cada momento na cabeça de cada transportador autônomo", escreveu Lopes na carta a Temer.

O ofício tem o protocolo da Presidência da República, mostrando que a entrega foi feita naquele mesmo 14 de maio, às 10h03. Procurado pela reportagem nesta sexta (25), o Planalto ainda não informou que providências tomou a partir do recebimento.

Foi a segunda tentativa da associação de emplacar sua pauta. Em 5 de maio, representantes da entidade se reuniram na Casa Civil com a subchefe substituta da Subchefia de Articulação e Monitoramento, Viviane Esse; o subchefe adjunto de Política Econômica da Subchefia de Articulação e Monitoramento, Pedro Florêncio, e o subchefe adjunto de Infraestrutura da Subchefia de Articulação e Monitoramento, Demerval Junior. Deixaram o encontro insatisfeitos.

Na ocasião, Lopes afirmou ser inaceitável o argumento do governo de que o aumento do diesel serve para manter o cumprimento da meta fiscal. "A gente sugeriu que a tributação seja feita, por exemplo, na renda fixa, já que esta não contribui para a recuperação da economia", declarou, segundo comunicado divulgado pela Abcam.

A carta a Temer teve um tom duro, culpando não só as medidas econômicas, mas a corrupção, pelas dificuldades dos caminhoneiros.

"Já não suportamos a falta de conduta ética do governo federal, corrupção ativa e passiva, desleixos, prevaricações, improbidades administrativas e muitos outros procedimentos vergonhosos que o governo vem praticando sem se preocupar com as consequências", criticou Lopes.

Ele classificou a matriz econômica de Temer de "famigerada e louca", e a culpou por jogar o Brasil num "buraco".

"Somos reféns de um governo que vive uma gastança sem fim, desperdícios, endividamentos, ralos bilionários de corrupção e regulações insanas, seu intervencionismo atrasado, sua aversão ao transporte brasileiro, sua incompetência criminosa e sua fome insaciável por poder", protestou.

A associação requereu a redução da carga tributária sobre o diesel a zero e a isenção da Cide. Também pediu a criação de um fundo de amparo ao transportador autônomo e a criação de um sistema de subsídio para a compra do diesel.

O desabafo de seis páginas termina com um pedido de apoio imediato do governo, sob risco de uma revolta. "Mostraremos que nós, cidadãos, temos, sim, direito de escolha."

 

 

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br