Galeria de fotos

Não perca!!

Nacional

O Brasil teve uma forte piora no ranking que avalia a percepção da corrupção no mundo divulgado pela Transparência Internacional ontem. O país caiu 17 posições em comparação ao ano anterior e ocupa o 96° lugar na lista de 2017, que avaliou a corrupção do setor público em 180 países. Na escala que vai de zero (mais corrupto) a 100 (menos corrupto), o Brasil aparece com 37 pontos, três a menos que em 2016. O país também se encontra na pior situação dos últimos cinco anos. Atualmente, o Brasil divide a 96ª posição com Colômbia, Indonésia, Panamá, Peru, Tailândia e Zâmbia. E fica atrás de países como Timor Leste, Sri Lanka, Burkina Faso, Ruanda e Arábia Saudita.

Desde 2014, o índice de percepção da corrupção (IPC) vem piorando no Brasil, que também deteriorou sua posição relativa a outras nações em desenvolvimento, como, por exemplo, os Brics. O país está agora à frente apenas da Rússia, que alcançou 29 pontos. Segundo a avaliação da Transparência Internacional, a trajetória de queda observada nos últimos anos pode ser explicada pelos efeitos da Lava Jato e outras grandes operações que mostram um esforço em enfrentar o problema. O efeito inicial de agravamento da percepção de corrupção é comumente observado em países que começam a confrontá-la de maneira eficaz, pois traz o problema à luz em toda a sua dimensão. No entanto, se o país persiste no combate à corrupção, o efeito negativo começa a se reverter numa percepção de maior controle da corrupção. O que não está acontecendo no Brasil.

Em 2016, o IPC brasileiro chegou a demonstrar certa estabilidade, o que parecia apontar para uma percepção de que o país começaria a colher os frutos do empenho contra a corrupção. O resultado negativo registrado em 2017 acende, entretanto, o alerta de que a luta contra a corrupção pode, de fato, estar em risco, de acordo com a entidade. A piora no ranking, segundo a Transparência Internacional, se deve à percepção de que os fatores estruturais da corrupção nacional "seguem inabalados" e que o país não foi capaz de atacar o problema. "Não houve em 2017 qualquer esboço de resposta sistêmica ao problema, ao contrário, a velha política que se aferra ao poder sabota qualquer intento neste sentido. Se as forças que querem estancar a sangria se mostram bastante unidas, a população se divide na polarização cada vez mais extremada do debate público, o que acaba anulando a pressão social e agravando ainda mais a situação”, analisa Bruno Brandão, representante da Transparência Internacional no Brasil.

Ainda segundo Brandão, a relação do Governo de Michel Temer com a corrupção é o que mais influenciou nesse resultado positivo. "Além desse Governo não propor políticas de combate à corrupção, há um envolvimento muito grande do seus membros com ela. Os ministérios são compostos com vários nomes investigados e acusados por crimes de corrupção. O próprio presidente tem acusações gravíssimas e só se mantém no poder por um grande acordo com o Congresso", afirma o representante da entidade ao EL PAÍS Brasil.

 

Enquete

Qual seu candidato para presidente 2018?
 
Banner

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br