Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Internacional

O presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Nassir Abdulaziz Al Nasser, disse ontem (12) que o número de mortos na Síria ultrapassa 8 mil. Há um ano, o país vive uma onda de violência e repressão devido a conflitos entre manifestantes e agentes de segurança do governo do presidente Bashar Al Assad. A oposição apela para uma intervenção militar na região. O assunto é tema de reunião hoje (13) em Istambul, na Turquia.

Al Nasser disse que muitas vítimas são mulheres e crianças e que a comunidade internacional tem de agir o mais rápido possível. Segundo ele, se o Conselho de Segurança da ONU não agir, a Assembleia Geral das Nações Unidas “estará pronta para tomar atitudes”.

Para a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, o Conselho de Segurança não pode ficar em silêncio quando o “governo massacra seu próprio povo”. Integrantes do Conselho Nacional Sírio, organização da oposição, vão se reunir hoje (13) com o enviado da ONU e da Liga Árabe à Síria, Kofi Annan, na Turquia.

A oposição defende uma intervenção militar na Síria para por fim à repressão. Para os oposicionistas, a ação é urgente, pois apenas na cidade de  Homs 47 pessoas foram mortas ontem. Annan pediu para Assad tentar o diálogo, mas ele se recusou, alegando que não conversa com terroristas.

Em comunicado divulgado durante entrevista em Istambul, o Conselho Nacional Sírio pediu uma ação rápida da comunidade internacional. O conselho quer intervenção militar, a criação de uma zona de exclusão aérea e a implantação de corredores humanitários.

"Para por fim à violência, não bastam comunicados e promessas vazias", disse Burhan Ghalioun, representante dos opositores. Porém, no que depender de Annan não haverá intervenção militar na Síria. Segundo ele, a "morte de civis deve parar imediatamente". Na Síria, faltam água e eletricidade, e as linhas telefônicas foram cortadas. 

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu ontem e a comunidade internacional pediu, mais uma vez, que a China e a Rússia, integrantes permanentes do órgão, posicionem-se a favor de uma resolução. Os dois países bloquearam todas as tentativas de um texto condenando a violência. As informações são da Agência Brasil.

 

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br