Galeria de fotos

Não perca!!

Cidade

Centro de Comercial de Camaçari
Centro de Comercial de Camaçari

O deputado Caetano repercutiu a situação em Brasília e fez um apelo ao prefeito do município para que o decreto que institui a cobrança seja revogado

Na tribuna da Câmara, o deputado federal Luiz Caetano expôs, na noite desta quarta (12/07), o problema pelo qual estão passando os feirantes de Camaçari. No início do ano, a prefeitura local instituiu cobrança de taxa de condomínio para todos os feirantes que trabalham no Centro de Comercial do município. Ocorre que, em contrapartida ao início da cobrança, o poder público se comprometeu com a realização de diversas melhorias estruturais no espaço. Mas, conforme o deputado, passados seis meses, porém, quase nada foi feito.

Além disso, acusa Caetano, de forma injusta, o prefeito Antôno Elinaldo (DEM) estabeleceu o valor da taxa de forma igual para todos os feirantes, sem considerar a finalidade e a dinâmica de cada ponto comercial. Caetano deu como exemplo, que o dono de uma banca de 2 metros quadrados, que conta com apenas um ponto de luz, acaba pagando a mesma taxa de um dono de açouge – cuja demanda elétrica é bem maior. "Uma regra injusta e que penaliza o pequeno feirante", diz.

Agora, bradou o deputado no plenário, "o prefeito editou um decreto, de número 6749/2017, estabelecendo o dia 30 de julho como prazo máximo para que os feirantes paguem de vez, de forma retroativa, as "taxas de condomínio" referentes aos meses de fevereiro, março, abril, maio e junho".

Caetano, contrariado com a situação, apelou ao prefeito para que "revogue este decreto". Alegando que o movimento de consumidores caiu bastante, e que "fica pesado para o pequeno feirante pagar, de vez, o retroativo". O deputado apela que "são 2 mil famílias que ganham o pão através do comércio no centro comercial. É necessário ter esse cuidado", pontuou o deputado.

Caetano fechou o discurso, com a observação duma medida ainda mais preocupante para a classe feirante: "O mais grave é que o decreto diz que, caso não pague, o feirante pode ter o box ou a barraca 'tomada' dentro de um prazo de até 90 dias", concluiu.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

Caetano, contrariado com a situação, apelou ao prefeito para que 'revogue este decreto'
Caetano, contrariado com a situação, apelou ao prefeito para que 'revogue este decreto'

 
Banner

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br