Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Bahia

É possível denunciar casos de assédio nos postos policiais do circuito (Foto: Divulgação)
É possível denunciar casos de assédio nos postos policiais do circuito (Foto: Divulgação)

Desde o dia 28, um homem foi preso por importunação

Sexta-feira de Carnaval, circuito Osmar, entrada de um bloco de samba na Avenida. Dandara sente um abraço por trás e pensa ser de uma amiga. O abraço é insistente, forte, e ela decide olhar para trás. Não era a amiga, sim um completo desconhecido. Começa uma briga com assediador, que corre para longe. No ano em que o assédio passou a ser considerado crime, enquanto a ofensa insiste em se disfarçar de paquera, as mulheres repreendem e reclamam. Cada vez mais alto.

Algo parece estar diferente no Carnaval de Salvador. Pelo menos com as mulheres que frequentam a festa, pois os homens continuam praticamente os mesmos das folias anteriores. Desde o dia 28, um homem foi preso por importunação, segundo a Defendoria Pública do Estado. Com o assédio tratado como crime, elas sentem mais coragem de expor. Mesmo que a exposição não ocorra nos postos policiais onde as ocorrências podem e devem ser registradas, as repreensões estão mais fortes.

“No Carnaval, eles acham que têm passe livre. A diferença é que a gente se sente mais à vontade para falar”, acredita Dandara Alves, 17.

Maitê Cristine, 21, amiga de Dandara, começou a pensar se algo de fato está diferente. “Não sei, os puxões de cabelo, as seguradas, aperto de braço, acho que continuam... Tem esses gaiatos que não param”, desconfia Maitê. Aos gaiatos, a diferença entre paquera e assédio é sempre muito clara. Aparentemente, a dúvida já é um indício de um descompasso. E as mulheres estão atentas. Na última terça-feira (26), Léo Santana começava o Pipoca na Barra, quando a amiga de Maíra sentiu um apertão na bunda.

“Ele meteu a mão mesmo. Nós fomos para cima, xingamos, e ele saiu. A diferença é essa. A gente vai para cima!”, lembra Maíra Matos, 26, estudante.

O silêncio, timidamente, quer se tonar exceção. A voz ecoa por todos os lados, inclusive nas plaquinhas, passadeiras e tatuagens provisórias. “Vi muita gente com plaquinha pedido respeito. Não sei se os homens mudaram, mas nós mudamos”, complementa Gabriela Matos, 34, psicóloga. Nenhuma das duas sofreu assédio neste Carnaval. Mas têm certeza do motivo.

"Se estivéssemos sozinhas seria diferente. A gente vem com muita gente, com outros homens, aí parece que faz alguma diferença", acredita Maíra. 
Nos braços, estão os recados contra assediadores. Respeite as mina, porque não é não. “Não sofri nada nesse Carnaval. Mas acho que é porque estamos nos empoderando também. Uso isso aqui [o adesivo] também pelas outras mulheres. Nunca é demais reforçar", afirmou a dentista Daniela Rêgo, 43, no Circuito Osmar.

Todas elas têm em comum, além do medo, um pensamento: não têm certeza se prestariam queixa no posto policial. Como o assédio está longe de existir apenas no Carnaval, embora seja um termômetro dos ânimos, Camila de Jesus, 22, vendedora lembrou do dia em que um desconhecido passou a mão em sua perna, no bairro do Pau Miúdo. Não pôde fazer nada. Agora, que pode denunciar, também não está certa se o faria.

“Depende muito do que seria. Acho que a gente vai deixando passar, o que é errado”, conclui a vendedora.

Existe também outra sensação entre as mulheres: mesmo com todos os relatos, estão mais seguras. "Estava comentando com minha mãe isso, que estou me sentindo mais segura. Talvez seja nosso enfrentamento mesmo", afirmou a técnica de enfermagem Saionara Santos, 35. A conversão de assédio em crime não necessariamente é a razão da mudança. Está mais para um outro incentivo.

Quando conversaram com o CORREIO, as mulheres esperavam a passagem do Afoxé Filhos de Gandhy. Então, como não lembrar da já conhecida troca de colares por um beijo? “Isso não é nossa tradição e a finalidade é outra. Existem integrantes que deturpam”, opina Danilo Pimentel, 34. “Comigo, nunca teve problema, acho que existe independente de bloco”, acrescenta Maitê Cristina. O problema do assédio não faz distinção entre bloco e pipoca. Mas as mulheres estão prontas para responder.

Como denunciar?

É possível denunciar casos de assédio nos postos policiais do circuito. A Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE) também faz plantão de Carnaval, no bairro do Canela (Rua Pedro Lessa, 123).

Veja também:

Número de policiais não estão dando conta do carnaval e Maurício Barbosa diz que é preciso “repensar” número de dias da folia

Carnaval - Turistas do RN têm carro roubado ao chegar em Salvador para o Carnaval

Carnaval - Associação de policiais e deputado vão processar Kannário por apologia ao crime

Carnaval - Perdeu os documentos na folia? Saiba como evitar transtornos

'Carnaval' - Incêndio destrói 'vegetação sagrada" do Ilê Axé Opô Afonjá

Carnaval - Salvamar realiza 18 resgates em dois dias

Carnaval - Mais de 580 armas brancas já foram apreendidas até o momento

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br