Galeria de fotos

Não perca!!

Bahia
Em: 04/06/18 - 13:54 Fonte: A Tarde Editoria: Bahia

Caminhoneiro bloqueia Cia-Aeroporto em protesto isolado

Segundo informações da concessionária Bahia Norte, que administra a rodovia, o caminhoneiro reivindicava isenção no pagamento do eixo suspenso prometido pelo presidente Michel Temer

Um caminhoneiro realizou um protesto na manhã desta segunda-feira, 4, por volta de 6h50, na BA-526 (Cia-Aeroporto). Ele atravessou a carreta na pista, nas proximidades da praça de pedágio, bloqueando o tráfego de veículos no local.

Leia mais...
 
Em: 02/06/18 - 19:48 Fonte: A Tarde/Aina Soledad Editoria: Bahia

Seis municípios baianos cancelam os tradicionais festejos juninos

A festa, que deveria ocorrer entre os dias 29 e 30 deste mês, contava com atrações como Flávio José, Gabriel Diniz, Naiara Azevedo e Luan Santana (foto A Tarde)

As cidades baianas de Simões Filho, Valença, Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro, Eunápolis e Camacan cancelaram os festejos juninos por causa dos reflexos da greve dos caminhoneiros.

Leia mais...
 
Em: 01/06/18 - 09:16 Fonte: A Tarde/Levi Vasconcelos Editoria: Bahia

Efeito caminhoneiros: o forró 2018 não será igual ao que passou

A greve dos caminhoneiros foi iniciada no dia 21 de maio (foto divulgação)

Se a crise de sempre já vinha atazanando o juízo dos 417 prefeitos baianos, a greve dos caminhoneiros botou mais gasolina na fogueira. Eures Ribeiro (PSD), prefeito de Bom Jesus da Lapa e presidente da UPB, diz que é esperada uma queda na arrecadação de ICMS de 30 a 40% e isso significa menos dinheiro nos cofres dos municípios.

Resultado: o forró vai continuar, mas sem o gás planejado no início do mês.

Segundo Eures, 70% dos 417 municípios baianos, ou aproximadamente 290, organizam São João, a grande maioria, ou São Pedro (quando as bandas ficam mais baratas). E cerca de 20, entre eles Porto Seguro, um dos grandes destinos turísticos do Estado, onde aconteceria o São João Elétrico, cancelaram a festa.

Pelo forró - Eures diz que o São João é a grande festa da Bahia e por isso ele, pessoalmente, aconselha:

- Eu ia gastar R$ 650 mil. Chamei as bandas, refiz contratos, baixei preços e vou gastar R$ 390 mil. Apertei o cinto, mas sou a favor da festa. É quando os pobres, o vendedor de água, de milho assado, de geladinho, têm a chance de ganhar alguma coisa, até mesmo alugando casas. É a nossa grande festa.

Ele diz que fazendo palcos menores e contratando artistas regionais, ao invés de estrelas que custam fortunas, é possível tocar o forró, apesar da crise.

- Com crise e sem a festa da alegria, fica difícil.

Efeito da crise no cardápio

Não foi só no plenário que a greve dos caminhoneiros provocou efeitos na Assembleia. Nos dois restaurantes também (um pago e o outro chamado bandejão).

Caiu a oferta de frutas, saladas e sucos.

O deputado Sargento Isidório (Avante), que só almoça no bandejão, ‘a não ser quando estou com alguém metido a besta’, diz ter notado o baque:

– Está fraquinho...

Nos dois, ressalte-se.

Veja também:

Caminhoneiro morre após ser atingido por pedrada na cabeça em BR

Ministro do STF dá 15 dias para transportadoras pagarem multa de R$ 141 milhões

 
Em: 01/06/18 - 06:41 Fonte: Correio da Bahia/Nilson Marinho Editoria: Bahia

'Achei que era o fim do mundo', diz moradora da Boca do Rio sobre vendaval

Carlito Cerqueira, de azul, ainda avalia o tamanho do prejuízo (Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)

Se a humanidade foi praticamente exterminada pela primeira vez com um dilúvio – está no Velho Testamento –, dessa vez a responsável por tentar conseguir tal feito, ao menos para alguns moradores da Boca do Rio, em Salvador, seria a força dos ventos. Exageros à parte, teve gente que achou que o aparente fim do mundo, nessa quarta-feira (30), tinha como epicentro o final de linha do bairro. Para ser mais preciso, entre as ruas da Tranquilidade e a Narciso das Neves.

Leia mais...
 
Em: 31/05/18 - 08:20 Fonte: Correio da Bahia Editoria: Bahia

'Furacão' na Boca do Rio destrói barracas e provoca demolições; veja vídeos

Comerciantes perderam mercadorias e casas foram destelhadas após vendaval

"Rapaz, isso aqui é o que aconteceu depois de um furacão aqui na Boca do Rio. (...) Primeira vez na história, furacão aqui no final de linha da Boca do Rio. Derrubou tudo!" O relato impressionado de um cinegrafista amador é apenas um dos registros publicados na internet sobre um vendaval que destruiu barracas e destelhou ao menos sete imóveis na Rua da Tranquilidade e no final de linha da Boca do Rio, em Salvador, na tarde desta quarta-feira (30).

Leia mais...
 
Em: 30/05/18 - 12:52 Fonte: A Tarde Editoria: Bahia

Petroleiros questionam decisão do TST e fazem protestos na Bahia

Manifestação na sede da empresa em Salvador, localizada no Itaigara (Foto A Tarde)

Os petroleiros deflagraram uma greve de 72 horas a partir de 0h desta quarta-feira, 30, um dia depois do Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerar o movimento ilegal. Foi estipulado uma multa diária de R$ 500 mil, em caso de descumprimento.

"Nós é que consideramos a decisão do TST ilegal e abusiva. A constituição é clara quando diz que são os trabalhadores que decidem quais as razões para entrar em greve. Não é o tribunal que decide a legalidade do movimento. Não reconhecemos essa decisão", afirma o diretor do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), Raviovaldo Costa.

>> Petroleiros desafiam Justiça do Trabalho e iniciam greve em refinarias

O movimento, que acontece em todo país, é também em solidariedade à greve dos caminhoneiros, que entrou no décimo dia. "Eles (os caminhoneiros) começaram reivindicando o preço abusivo do diesel. Agora, nós estamos reivindicações pautas como o fim da nova política de preço dos combustíveis, que foi instituída com a nova gestão da Petrobras de Pedro Parente", completa o diretor.

Costa explica que essa política dos preços é ajustada de acordo com os diversos fatores internacionais. "Essa política atende apenas aos interesses de petroleiras, grandes multinacionais, além de favorecer à privatização da Petrobras, que é a maior empresa do país", afirma.

Outros eixos do movimento são a redução dos preços do gás de cozinha, o fim das importações de derivados de petróleo e a demissão do atual gestor da petrolífera, Pedro Parente. "Nossa greve é corporativa. Pedimos o fim de qualquer processo que esteja em curso para a privatização da Petrobras". diz.

Produção

Ainda conforme o dirigente, o ato que termina nesta sexta-feira, 1º, não vai afetar a produção nas refinarias. A categoria deverá retomar às atividades neste sábado, 2. São 4.200 petroleiros concursados e 10 mil terceirizados na Bahia que operam em turnos.

"Nossa greve é ordeira. Não vamos parar atividades, porém é uma advertência. Caso nossas pautas não sejam atendidas, iremos fazer reuniões e parar por completo", informa.

Os trabalhadores estão reunidos na Refinaria Landulpho Alves, em São Francisco do Conde, na Transpetro, em Candeias, e Camaçari, além da sede da empresa em Salvador, localizada no Itaigara.

Por meio de um comunicado oficial, a Petrobras informou que foram registradas na manhã desta quarta paralisações pontuais em algumas unidades operacionais do país e que equipes de contingência atuam onde necessário. A empresa também confirmou que não há impacto na produção.

Comunicado

Por meio de um comunicado oficial, a Petrobras informou que foram registradas, na manhã desta quarta, paralisações pontuais em algumas unidades operacionais do país e que equipes de contingência atuam onde é necessário. A empresa confirmou que não há impacto na produção.

Veja também;

Frentes populares convocam protestos contra a gestão temer na Petrobras

Petroleiros antecipam greve para esta segunda e pedem ‘fora Parente’

Além de queda coice - Petroleiros vão entrar em greve nesta quarta-feira

 


Página 2 de 1070

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br